Revista Vitrine – Matéria sobre papel de parede

Quem deseja mudar a decoração da casa do dia para a noite, de forma fácil e simples, pode contar com as inúmeras opções de papéis de parede.

As estampas variam e podem ser usadas tanto para decorações clássicas como para as mais modernas. “É preciso escolher um padrão que alinhe com os detalhes decorativos do ambiente e que não seja enjoativo”, comenta a Geisa Cardoso da Casa do Papel de Parede,

A designer conta que os papéis de parede emborrachados ou acetinados que possuem relevo são os mais vendidos na Casa do Papel de Parede.

Muitas pessoas optam pelo material para fugir das tintas e obter uma maior durabilidade da boa aparência das paredes. “Um papel vinilizado (mais simples) tem vida útil de cinco anos e os vinílicos (com película de vinil) e emborrachados duram de 10 a 15 anos e, dependendo da conservação do material, duram até mais”, diz Geisa.

É preciso alguns cuidados básicos para a maior durabilidade do material, para isso, papéis vinilizados devem ser limpos com pano umedecido e de maneira delicada. Já os vinílicos, agüentam uma limpeza mais pesada com água, detergente neutro, escova ou esponja macia e finalização com pano seco. Produtos abrasivos, como saponáceo, jamais devem ser usados em papéis de parede.

Geisa alerta que para a instalação do papel é preciso que a parede esteja em perfeitas condições, sem vícios, por isso é necessário verificar se o local de aplicação está liso, pintado, sem umidade e infiltrações.

Outro fator importante que é destacado pela designer de interiores é que, para quem não quiser arriscar no “faça você mesmo”, a contratação de uma mão de obra especializada é a melhor opção, pois além de profissionais da área aplicarem o produto, o trabalho conta com garantia.

Famoso nas décadas de 70 e 80, o papel de parede continua em alta nas decorações atuais. A arquiteta Clélia Regina Angelo comenta que o material é de grande influência na decoração e que hoje é possível encontrar uma grande gama de cores, texturas e desenhos. É preciso muita atenção na hora de escolher o papel de parede. ” Se o efeito pretendido for de amplitude, os tons claros e listrados são interessantes, mas se o objetivo for diminuir o ambiente os tons escuros são bem vindos”, comenta a arquiteta.

Clélia ainda ressalta que a tendência são os papéis de palha natural e os com desenhos.

 



Deixe uma resposta